Gazpacho

Quase todas as culturas têm seu alimento básico, aquele com que seus habitantes contam como parte essencial de sua dieta. O ‘pão nosso de cada dia’ varia de país para país. Se no Brasil almoçamos e/ou jantamos arroz e feijão, na Itália é a massa – nos seus mais variados tamanhos e formatos – que aparece todos os dias na mesa das pessoas. Durante muito tempo, a batata foi a essência da alimentação irlandesa e, de certa forma, ainda é. Em muitos países asiáticos, o arroz ou os noodles fazem parte da refeição diária… E por aí vai.

E em Portugal, você sabe? Com certeza pensou em bacalhau! O peixe salgado pode ser o símbolo da cozinha portuguesa, mas o que entra em cena em pelo menos uma refeição diária na maioria dos lares lusitanos é… a sopa. Caldo Verde, Sopa da Pedra, Açorda Alentejana são apenas algumas das muitas variações existentes. Em Portugal, há até restaurantes que só servem sopa. Prática, nutritiva e deliciosa, ela é irresistível. Eu sei, com as temperaturas altíssimas no Brasil neste momento, ninguém está pensando em encarar um prato de caldo quente. Mas se ele for gelado, pode cair muito bem!

O Gazpacho é uma sopa fria bastante popular na Península Ibérica. A clássica sopa espanhola tem os seus ingredientes triturados, transformados em purê. Já na versão portuguesa, eles são apenas picados, e a receita ainda inclui orégano, azeitonas e, às vezes, ovos cozidos. Hoje, há muitas outros tipos de Gazpacho, até alguns que não levam seu ingrediente original, o tomate. Deixo aqui uma adaptação da receita andaluza, porque seu preparo é muito simples e não falha!

BeFunky_IMG_3632.jpg

 

Ingredientes:

5 tomates maduros grandes, sem pele e picados

2 fatias de pão de forma branco, sem casca

1 dente de alho, amassado

1 cebola pequena, picada

2-3 colheres (sopa) de azeite extra-virgem

2 colheres (sopa) de vinagre de vinho branco

2/3 xícara de suco de tomate

½ colher (chá) de páprica (opcional)

1 pitada de cominho em pó (opcional)

sal e pimenta-do-reino a gosto

 

Guarnição:

½ pimentão vermelho sem sementes, picado

½ pepino, sem casca e sem sementes, picado

pão frito, em cubinhos (croutons)

 

Preparo:

Coloque as fatias de pão em um prato fundo e cubra com um pouco de água fria. Deixe alguns minutos e, depois, desmanche-as com os dedos ou um garfo, retirando o excesso de água.

Em um liquidificador ou processador, bata os tomates, a cebola, o alho, o suco de tomate, o azeite, o vinagre, o pão e os temperos até conseguir a textura desejada (mais ou menos cremosa). Leve à geladeira por algumas horas.

Sirva o Gazpacho em tigelas ou pratos de sopas gelados. Enfeite com a guarnição e bom apetite! Rende quatro porções.

Obs.: O alho e a cebola crua dão um toque levemente picante à sopa. Ajuste-os ao seu gosto.

 

O Duomo de Milão: teto e subsolo

BeFunky_IMG_1867.jpg
O Duomo num raro dia de sol

 

A construção da Catedral de Milão (Il Duomo) teve início em 1386 no lugar onde havia antes as Basílicas de Santa Tecla e de Santa Maria Maggiore. O trabalho só terminou vários séculos depois, e, por isso, passou pelas mãos de arquitetos, artistas e escultores de movimentos diferentes. Mas a catedral é predominantemente gótica.

A maior catedral da Itália é visitada por milhares de turistas todos os anos. O que pouca gente sabe, no entanto, é que, pagando-se um ingresso (de 7 euros para ir de escada ou de 12 euros para ir de elevador), pode-se subir no telhado. A vista que se tem da piazza Duomo é bacana, mas o foco da visita é o telhado em si, com suas maravilhosas esculturas. Vale a pena!

 

 

BeFunky_IMG_1888.jpg

 

 

 

 

BeFunky_IMG_1892.jpg

 

Outra coisa pouco conhecida é que, logo ao entrar no Duomo, do lado direito, há uma escada que dá para o Battistero di San Giovanni alle Fonti. As ruínas do século IV a.C. só foram descobertas recentemente, quando foram feitas escavações para a linha de metrô. Paga-se um pequeno ingresso para visitá-las.

 

BeFunky_IMG_1918.jpg

 

 

 

 

Roma, Ristorante Da Pancrazio

Nas ruínas do Teatro dei Pompeo, o mais importante teatro da Roma Antiga, você pode almoçar ou jantar enquanto respira um pouco de história. Foi nesse teatro que Júlio César foi assassinado em 44 a.C.  Desde 1922, funciona ali o restaurante Da Pancrazio. O lugar é muito bacana e lá você encontra pratos clássicos da cozinha romana, como o Saltimbocca alla Romana, entre muitas outras coisas deliciosas.

Unknown
Foto da internet

Piazza del Biscione, 92/94

 

E já que está por ali, dê uma passadinha no Hotel Campo de’Fiori, um hotel boutique que é uma graça. Se pedir na recepção, eles deixam subir até o terraço, de onde a vista da cidade é linda. Aí, é sonhar em voltar a Roma e se hospedar ali.

Via del Biscione, 6

Para ver fotos do hotel, dê uma olhada no site: www.hotelcampodefiori.com

Antico Caffè Greco, Roma

IMG_1004

Se estiver caminhando pelos lados da sofisticada (e sempre cheia) ‘Via dei Condotti’, em Roma, vale a pena fazer uma pausa para um chá e/ou doce e/ou café e/ou granita no chiquérrimo ‘Antico Caffè Greco’.

O Caffè Greco existe desde 1760 e é o café mais antigo de Roma. Segundo seu site, artistas, poetas, músicos e filósofos ilustres como Shelley, Keats, Goethe, Byron e Wagner passaram por lá. O lugar é lindo e, sim, caro. Garçons vestidos de fraques servem  clientes vestidos de jeans, shorts, tênis… Enfim!…

Via dei Condotti, 86

IMG_0639

IMG_0638

O melhor café de Roma

Bateu a vontade de um cafezinho? O Caffè Sant’ Eustachio vem servindo a bebida aos romanos desde 1938. O lugar é bem despretensioso e pouco turístico, apesar de estar localizado entre o Pantheon e a Piazza Navona. Eles afirmam que servem o melhor café de Roma, e eu acho que é verdade. Sem firulas, para tomar de pé, ao balcão. Basta escolher se quer o seu ‘zuccherato’ (já adoçado) ou não.

Piazza Sant’ Eustachio, 82

 

IMG_2099

Roma

IMG_2018 (1)

Roma não foi amor à primeira vista. Eu tinha vinte e um anos a primeira vez que vi a cidade. Passei lá os últimos dias de uma viagem que fazia sozinha, com aquela coragem (ou seria imprudência?) que a gente ainda tem aos vinte e poucos anos. Assim como minha aventura, minha grana também estava no fim. Para completar, não entendia a língua, não conhecia ninguém ali, ainda precisava arranjar onde me alojar, e os hoteizinhos que cabiam no meu espremido orçamento pareciam estar todos lotados. A um certo ponto, cansada de tanto rodar em busca de uma pensione, resolvi parar a procura por um instante e tomar um sorvete para ver se o açúcar me reanimava. Entrei na sorveteria com minha mala, pedi em inglês o que eu queria, paguei e me sentei, pronta para repensar meus planos. Foi aí que o funcionário da sorveteria se aproximou e me disse: “Desculpe, signorina, mas sentada é mais caro.” Para não pagar a diferença, fui comer o meu sorvete na pracinha do lado e lá fiquei, tentando focar meus pensamentos no que me preocupava no momento, enquanto carros, vespas, táxis, ônibus de turistas, bicicletas e pedestres disputavam a rua da frente e a minha atenção. Definitivamente, não me apaixonei pela cidade de imediato.

Horas depois, consegui me instalar numa pensãozinha. Ao dar uma olhada no banheiro que teria que dividir com os outros hóspedes, decidi que passaria os próximos dias sem tomar banho, já que ele parecia mais sujo que eu. Deixei meus pertences no quarto e saí para explorar o lugar, com mapa e câmera nas mãos.

Nos dias seguintes, fiz todos os passeios que meu livro-guia indicava: visitei o Coliseu, o Pantheon, a Fontana di Trevi, o Fórum Romano, a Piazza Navona e até algumas catacumbas. Comi o primeiro Spaghetti alla Carbonara da minha vida, escolhido ao acaso, e gostei tanto que quis repetir no dia seguinte. E, no dia seguinte, como não entendia o que dizia o cardápio nem me lembrava como se chamava a massa deliciosa do dia anterior, pedi o único prato da lista que parecia levar ovos – e tomei um susto quando o garçom me trouxe uma sopa com um ovo pochê por cima. Mais uma frustração e mais um mico para contar para os amigos na volta.

Com muita convicção, ao passar pela Fontana di Trevi, não joguei uma moedinha. Soltei até um desaforo: “Aqui eu não volto de jeito nenhum!” Para minha sorte, o Netuno da ponte mais famosa do mundo fez ouvidos moucos, e eu voltei umas tantas vezes. Põe sorte nisso…

É aí que está a magia de Roma: depois de fazer todos aqueles programas obrigatórios (e maravilhosos) que todo turista que visita o lugar pela primeira vez precisa fazer, ficamos livres para explorar o restante da cidade, que é absurdamente caótica e absolutamente fantástica, e olhar para ela com olhos diferentes.

Roma é cheia de ruazinhas estreitas, de praças e fontes, de pequenos cafés e restaurantes meio escondidos, de igrejas lindas e menos conhecidas, de lojinhas únicas, como aquela que só vende papel de embrulhar presentes, ou aquela outra que só vende chapéus, ou aquela ainda que só vende luvas. É uma delícia se perder na cidade, andar muito e descobrir tesouros menos óbvios. Então a gente se esquece que aquilo ali é a Roma de Rômulo e Remo, dos Césares, a antiga capital do mundo. Até dobrarmos uma esquina e, inesperadamente, darmos de cara com o Coliseu.

Roma não foi amor à primeira vista. A cidade foi me conquistando aos poucos. No segundo encontro, ela me encantou. No terceiro, eu já estava fisgada. Aí, como já deu para adivinhar, não teve jeito: virou amor eterno.

IMG_1966

IMG_2011 - Version 2

 E por falar em Roma…

IMG_1628 - Version 2

Um dos pratos mais típicos da cidade chama-se ‘Spaghetti Cacio e Pepe’ (espaguete com queijo e pimenta). Apesar de muito difundido em Roma, sua origem, na verdade, é antiga e incerta. Muitos dizem que ele nasceu na região do Lazio, onde fica Roma. Outros afirmam que ele surgiu na cidade de Nápoles ou mesmo na região de Abruzzo. Com somente três ingredientes, era a comida dos pastores, devido a seu baixo custo, sua praticidade e seu valor nutritivo. Os pastores saíam para trabalhar e levavam consigo um pedaço de Pecorino (queijo de ovelha), um punhado de espaguete e um bom tanto de pimenta preta triturada – que gerava calor e ajudava a suportar as noites frias de lá.

Tempos depois, apareceram variantes como o ‘Spaghetti alla Carbonara’, por exemplo, que leva ovos e pancetta ou guanciale (bacon feito com as bochechas do porco), entre outras.

Contudo, é justamente a simplicidade do ‘Spaghetti Cacio e Pepe’ que faz com que seu preparo seja cheio de cuidados: a massa deve estar al dente e o prato deve chegar à mesa quentíssimo. E, levando só três ingredientes, estes precisam ser da melhor qualidade.

Ingredientes (para 4 pessoas):

400g de espaguete

cerca de duas xícaras de queijo Pecorino Romano ralado na hora

Abundante pimenta preta ralada na hora

Preparo:

Leve uma panela com água e um pouco de sal ao fogo. Quando ferver, acrescente o espaguete e mexa durante os primeiros minutos para que não grude. Cozinhe-o de acordo com as instruções da embalagem, tomando cuidado para não cozinhar demais. Escorra a massa, reservando algumas conchas da água.

Leve o espaguete de volta à panela e acrescente um pouco da água reservada (comece com uma concha). Adicione mais ou menos 2/3 do queijo e mexa bastante, até que o queijo e a água tenham ficado com uma consistência cremosa. Se vir que há água no fundo, adicione queijo. Se, ao contrário, a massa estiver muito seca, coloque um pouco mais de água. Por fim, acrescente bastante pimenta. O processo deve ser bem rápido, para não esfriar a massa. Sirva em pratos aquecidos.

Observações:

  1. Na Itália, massa é servida como primo piatto, então as porções são pequenas. A quantidade acima pode não ser suficientes para quatro pessoas famintas, se for servida como prato único.
  2. Conseguir uma textura cremosa às vezes é mais complicado do que parece. Se não der na primeira vez, tente de novo outra hora: ne vale la pena!

IMG_0199

Facciamoci un aperitivo?

Dizem que o médico grego Hipócrates, há quase dois milênios e meio, prescrevia gotas de seu Vinum Hippocraticum aos pacientes que não tinham fome. Uma espécie de vinho branco misturado com losna e arruda, a poção era bastante amarga. Podemos imaginála sendo engolida de uma só vez e provocando uma grande careta…

Mais tarde, os romanos acrescentaram ervas aromáticas à mistura com o intuito de torná-la mais prazerosa. Sua função continuava a mesma: a de abrir o apetite, e ela passou, então, a ser conhecida como ‘aperitivo’, que vem do latim aperire (abrir).

Com o tempo e a influência de outros povos, a bebida continuou se transformando e se popularizando.

Muitos séculos depois, em Turim, foi criado o Vermouth. Tendo objetivo semelhante, mas paladar bem mais agradável, a novidade caiu nas graças do rei Vittorio Emanuele II e virou o aperitivo oficial da corte. E, assim, a combinação de vinho, ervas e especiarias que prepara o estômago antes das refeições virou mania em toda a Itália e é bastante apreciada especialmente no norte do país. O conceito ampliou-se ao longo dos anos e hoje inclui diversas outras bebidas alcoólicas e não alcoólicas que vão desde vinho, cerveja e coquetéis, como o Negroni e o Bellini, até sucos de frutas e refrigerantes.

O hábito delicioso de ir ao bar com amigos antes do jantar não deve ser confundido com nosso happy hour: os aperitivos na Itália não ficam mais baratos por causa do horário. Ao contrário, geralmente os preços aumentam consideravelmente entre as 18h e as 21h. O que os torna tão atraentes (e mais caros) é que os bares e restaurantes servem antepastos com a bebida. Pelo preço dela, você come e bebe. As comidinhas vão desde simples batatinhas e azeitonas, até elaboradas pizzette, bruschette, focacce e grissini, massas, verduras grelhadas ou mesmo fatias de queijo, salame e presunto cru. Os antepastos variam bastante de região para região. Vale a pena pesquisar quais são os bares mais populares entre os italianos e evitar os muito turísticos.

Muitas vezes, as porções são trazidas até a mesa; se quiser mais uma porção, terá que pedir mais uma bebida. Outras vezes, há um bufê do qual você se serve. Você pode voltar ao bufê várias vezes, mas é sempre bom usar o bom senso: se pretende continuar comendo, é melhor pedir mais uma bebida. A ideia original, no entanto, deve continuar valendo: a de preparar o estômago e não a de substituir a refeição.

Os italianos fazem um aperitivo no bar e depois ou vão jantar em casa ou seguem com os amigos para algum restaurante onde, invariavelmente, o assunto girará em volta daquilo que estiverem comendo. É um prazer que leva a outro, mas tudo em doses moderadas. Dificilmente veremos alguém se excedendo na bebida ou na comida. Não parece que eles sabem muito bem o que fazem?

(Fontes: Bar Business; http://www.bergamoparty.it)

 E por falar em aperitivos…

  De cor alaranjada e sabor levemente amargo, o Aperol é uma bebida originária de Pádua e lembra um pouco o Campari (ambos são feitos pelo Gruppo Campari). Porém, tem teor alcoólico bem menor que seu primo de cor vermelha (11% contra os mais de 20% do Campari). Com ele é feito um dos aperitivos mais queridos da Itália. Ecco la ricetta:

Aperol Spritz

Em um copo do tipo americano ou uma taça de vinho, colocar bastante gelo e acrescentar:

3 partes de Prosecco ou outro vinho branco espumante

2 partes de Aperol

1 parte de Club soda ou água com gás

1 fatia fina de laranja (opcional)

Cin cin!

IMG_0118 - Version 2